Acessibilidade


18/10/19 - Estação de Tratamento de Água do Lago Norte completa dois anos

Sistema de membranas por ultrafiltração utilizado na estação é considerado referência no Brasil

 

A Estação de Tratamento de Água do Lago Norte está completando dois anos de funcionamento neste mês. A ETA, que fica na ML 4 no Setor de Mansões do Lago Norte, tem como diferencial a captação de água por meio de balsas flutuantes e a utilização do sistema de tratamento por membranas de ultrafiltração, que é uma das mais modernas tecnologias usadas para tratar água.

O sistema de tratamento de água de Ultrafiltração por Membranas tornou-se referência no Brasil e apresenta várias vantagens, como o elevado nível de remoção de contaminantes por um mecanismo simples de exclusão por tamanho. A membrana apresenta um tamanho de corte de 0,030 micros (para se ter uma ideia do tamanho, divida 1 milímetro em 30 mil pedaços), o que a torna capaz de reter microorganismos (vírus, bactérias, protozoários como Giardia e Cryptosporidium), partículas, sólidos em suspensão, entre outros, gerando uma água tratada de excelente qualidade. “Esse sistema dá uma segurança muito grande para a população, independente da época do ano. Nos métodos convencionais, há variação de resultados a depender do período e é preciso usar mais produto químico”, explica a engenheira química Cláudia Simões, coordenadora de Operação da Caesb responsável pelo sistema.

O uso de produtos químicos se restringe ao processo de limpeza das membranas e aos itens obrigatórios para garantir a potabilidade da água, segundo a legislação. A ETA Gama também utiliza o sistema e a futura ETA Paranoá Sul, que deverá ser licitada em novembro de 2019, também adotará essa tecnologia.

A ETA Lago Norte tem a capacidade de captar, tratar e distribuir 700 litros de água por segundo e abastece o Lago Norte, o Paranoá, o Itapoã, Varjão, o Taquari e parte de Sobradinho e da Asa Norte.

Há um ano a Caesb adquiriu uma plataforma flutuante, instalada no Lago Paranoá, próximo à Ermida Dom Bosco, com o objetivo de realizar estudos sistemáticos da qualidade do Lago. Este equipamento é capaz de registrar parâmetros básicos como densidade de algas, temperatura, pH, condutividade, turbidez e oxigênio em diferentes profundidades, em tempo real, para aprofundar conhecimento sobre a dinâmica do manancial.


 

ETA Lago Norte - A captação da água é feita por meio de balsas
   
ETA Lago Norte
   
ETA Lago Norte - Plataforma flutuante


Fotos: Marco Peixoto (Caesb)

22/10/19 - Caesb intensifica fiscalização ao descarte incorreto do esgoto sanitário

A Caesb, em parceria com o Ibram, DEMA e DF Legal, realiza fiscalização do descarte incorreto do esgoto sanitário em pontos não autorizados e de empresas que atuam sem cadastro. A ação visa garantir o adequado descarte dos esgotos provenientes de limpeza de fossas domésticas ou de caixas de gordura.

Com a regularização da atividade, a Caesb evita o descarte de resíduos em redes de águas pluviais, em corpos hídricos e diretamente nos solos, além de contribuir na redução de obstrução das redes de esgotos, que causam grande transtorno à população, uma vez que o esgotamento sanitário adequado contribui na prevenção de doenças causadas pela água contaminada, além de preservar o meio ambiente.

Desde 2010, a Caesb disponibiliza estações de tratamento autorizadas a receber o material transportado por caminhões-tanque. Elas estão distribuídas em diversos pontos do Distrito Federal (veja relação abaixo). Atualmente, 65 empresas e autônomos, que atuam com 91 equipamentos em todo o DF, trabalham cadastradas junto a Caesb. Os resíduos dessas fossas são tratados por inteiro nas Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs).

De acordo com a superintendente de Operações e Tratamento de Esgoto, Ana Maria Mota, a Caesb recebeu, em 2018, mais de 31 mil descartes de resíduos de fossa séptica, o que gera aproximadamente 395 mil m³ de resíduos. “A Companhia recebeu também cerca de 900 descartes de resíduos de caixa de gordura, retirando do processo de tratamento e do meio ambiente mais de 10,5 mil m³ de resíduos com gordura. A gordura retirada do sistema é lixo e extremamente prejudicial ao processo de tratamento”, explica Ana Maria.

Caso ocorram despejos irregulares, a empresa responsável fica sujeita às penalidades previstas em lei (Decreto 26.590/2006, que regulamenta a Lei nº 442/1993 e Lei 41/1989, Política Ambiental do Distrito Federal) com multas que variam de R$ 7,8 mil até R$ 119,5 mil. Para mais informações de “Como adquirir a Autorização para Descarte de Fossa e Gordura na Caesb” consulte o www.caesb.df.gov.br ou pelo telefone 3213-7385.

 

ETE

Materiais Autorizados

Endereço

Telefone

ETE Brasília Sul

Fossa Doméstica e Gordura

SCES s/n - ETE Brasília Sul - Av. das Nações Sul (L4 Sul)

3403-7734

ETE Brasília Norte

Fossa Doméstica e Gordura

SCEN trecho 03 s/n ETE Brasília Norte - Av. das Nações Norte (L4 Norte)

3403-8652

ETE Samambaia/

Melchior

Fossa Doméstica

DF 180 Km 42 BR 060 - próximo só frango - Samambaia

3403-7758

ETE Alagado

Fossa Doméstica

Br 040 próxima prainha Gama - Santa Maria

3403-7708

ETE Planaltina Sul

Fossa Doméstica

Quadra 169 Conjunto C ao lado do lote 2 A - Setor Sul

3403-7714

 

24/10/19 - Caesb participa da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia

A Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) está presente na 16ª edição da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, que começou no último dia 21 e vai até domingo, 27 de outubro. Neste ano, o tema é “Bioeconomia: Diversidade e Riqueza para o Desenvolvimento Sustentável”. A Caesb está com o Expresso Ambiental e com um stand de 50m² no local.

O Expresso Ambiental é o ônibus de Educação Ambiental da Caesb. Nele é apresentada uma maquete de 6 metros, onde é possível entender o Ciclo do Saneamento, desde a captação de água no manancial até a devolução do efluente tratado no corpo hídrico.

São contemplados diversos aspectos na maquete, como a proteção de mananciais, o saneamento rural e urbano, as estações de tratamento de água e esgoto, drenagem pluvial, resíduos sólidos, uso consciente da água (instalações hidráulicas e prediais) e até mesmo o manejo do lodo de esgoto que, atualmente, é utilizado pela Companhia na recuperação de áreas degradadas.

Por meio dessa ferramenta, pretende-se enriquecer o atendimento à comunidade, principalmente às escolas do Distrito Federal, oportunizando o debate sobre o consumo consciente de água e a importância da participação da sociedade no bom funcionamento dos sistemas de abastecimento e esgotamento sanitário.

No stand da Caesb, os visitantes têm acesso a diversas informações e atividades. Uma delas é a maquete das bacias hidrográficas do Distrito Federal, que apresenta as oito bacias que nascem na região e tem como público alvo adultos e crianças. Outra atividade é o Jogo da Trilha.  Esse jogo tem como objetivo ensinar às crianças sobre o uso consciente do sistema hidrossanitário de uma casa de maneira lúdica.

A Companhia expõe um minilaboratório de microbiologia e, com isso, busca despertar a curiosidade em adultos e crianças em relação às técnicas laboratoriais, por meio de demonstração das análises de controle de qualidade da água para os parâmetros  de turbidez, pH, condutividade, cloro residual livre, coliformes totais e E. Coli., além da técnica de cromatografia.

O Lago Paranoá também tem um espaço no stand da Caesb. Nesse módulo são apresentados vários conceitos como eutrofização, meio eutrófico e oligotrófico. Além disso, a história do Lago Paranoá é contada desde sua criação até os dias de hoje, passando por períodos de poluição e técnicas de reversão da poluição. No stand também é possível conhecer uma Membrana de Ultrafiltração para entender sobre a tecnologia de ponta utilizada no tratamento de água da Caesb.

A Companhia também expõe terrários com o objetivo de introduzir o conceito de ciclo da água, economia de água, proteção de mananciais para adultos e crianças, e tem módulos de assoreamento que introduzem o conceito de assoreamento na prática, trazendo a importância da proteção de mananciais.

A Caesb participou de seleção pública e apresentou proposta à Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal para a obtenção de financiamento para promover eventos de difusão científica e popularização da ciência durante a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia de 2019. A proposta apresentada pela analista de sistemas de saneamento da Caesb, Karina Bassan, foi aprovada com nota final de 97,5 e a Companhia recebeu R$ 48.955,00 que foram aplicados em melhorias na estrutura para a educação ambiental, além da montagem do stand.

 

        

Crédito das fotos: Marco Peixoto - Caesb

 

 

25/10/19 - 31ª SIPAT: Uma semana dedicada a saúde e segurança no trabalho

Quem passa pelos corredores internos da Caesb observa alguns feixes de luz em tons de rosa. A ideia é trazer para o interior da Companhia uma lembrança permanente da campanha mundialmente conhecida como Outubro Rosa, de prevenção ao câncer de mama. A importância do tema é tamanha que foi a palestra de abertura da 31ª Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho (SIPAT).

O evento, que tem como objetivo levar conscientização e orientar os colaboradores quanto à prevenção de doenças e acidentes de trabalho, ocorreu ao longo desta semana, quando os empregados assistiram a palestras e oficinas sobre a saúde mental, prevenção de doenças osteomusculares e doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).

A SIPAT é realizada pela Gerência de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho (SGPS), em parceria com a Gerência de Qualidade de Vida e Responsabilidade Social (SGPQ) e com as CIPAs (Comissões Internas de Prevenção a Acidentes) setoriais. A programação ocorre em todas as unidades da Empresa. São realizadas ações que levam aos colaboradores informações e dados sobre acidentes e doenças, além de momentos para proporcionar bem-estar e integração.

“A Caesb é uma Empresa que se preocupa com a saúde e com a segurança dos seus empregados, e acredita que o trabalho de conscientização deve ser constante. Há 31 anos, este evento é realizado anualmente. O cuidado com a saúde e com a segurança deve ser frequente”, disse a gerente de processos da Gerência de Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho, Cintia Cunha.

Presente na abertura do evento, o presidente da Caesb, Daniel Rossiter, destacou a importância das ações de prevenção. “Todos os meses devem ser de cuidado com a saúde, mas este é um mês especial, porque olhamos com mais atenção para a prevenção ao câncer devido à campanha”, afirmou.

A saúde mental foi outro tema trabalhado na SIPAT. Ministrada pela psicóloga Maria Fernanda Amado, a palestra abordou temas como o domínio e empoderamento emocional, a capacidade de resiliência, o autocuidado, as formas de lidar com o luto, entre outros.

Thelma Martins, empregada no Escritório Regional do Guará, define como louvável a iniciativa da Caesb em levar este tema para discussão. “Tenho visto muitos colegas enfrentarem problemas e sentirem falta de apoio. As pessoas têm adoecido emocionalmente e fisicamente. Essa atitude da Empresa mostra a nós, funcionários, que ela está nos apoiando e que quer nosso bem-estar”, declarou.

 

Crédito das fotos: Marco Peixoto - Caesb

28/10/19 - Caesb implanta primeiro sistema de telemetria de consumo de água com IOT em grande escala no Brasil

Quase 2 mil hidrômetros já estão sendo monitorados em fase de testes
 

A Caesb está implantando dois projetos de telemetria do consumo de água no Distrito Federal com financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento da ordem de R$ 2,5 milhões. Essas iniciativas têm o objetivo de melhorar o acompanhamento do consumo de água tanto pela Companhia como pelos seus clientes.

A telemetria consiste de um dispositivo eletrônico que lê o consumo do hidrômetro quatro vezes por dia e transmite os dados, utilizando a rede de telefonia celular, até os servidores de dados da Caesb. Nos computadores da Empresa, esses dados são preparados para que o cliente possa acompanhar diariamente seu consumo, controlando o uso excessivo e podendo verificar mais rapidamente a ocorrência de vazamentos nas tubulações domiciliares.

No modo tradicional, o consumo é medido somente uma vez por mês por leituristas de hidrômetros contratados para esse fim. O problema é que nesse procedimento manual podem ocorrer erros de leitura, dificuldades de acesso ao medidor e outros contratempos. Mais grave ainda é que muitas vezes os vazamentos nas instalações hidráulicas não são detectados rapidamente e a conta de água acaba ficando mais alta.

Os dois projetos têm caráter experimental e suas funcionalidades serão gradualmente disponibilizadas aos clientes. Um deles já está em funcionamento em uma quadra do Jardins Mangueiral com cerca de 500 ligações de água. O sistema será utilizado como modelo para as individualizações de medição de consumo em condomínios horizontais. No mês de setembro de 2019 os moradores dessa quadra já receberam a primeira conta por e-mail, com a leitura individual do consumo sendo realizada por telemetria. Em breve será disponibilizado um site e aplicativo para smartphone para que cada morador possa monitorar seu consumo.

O outro projeto é ainda mais ambicioso e inédito no País. A Caesb está instalando telemetria em todos os clientes da Península do Lago Norte. Serão quase 6 mil clientes beneficiados com a tecnologia que emprega Internet das Coisas (IoT), pela primeira vez nessa escala no setor de saneamento brasileiro. Com esse projeto, a Caesb pretende ampliar o leque de serviços para o cidadão, aproveitando a infraestrutura de comunicação que está sendo implantada. No momento, quase 2 mil hidrômetros já estão sendo monitorados em fase de testes.

Uma extensão do projeto do Lago Norte é a telemetria dos grandes consumidores da Caesb. Foram selecionados 1430 clientes com grande consumo de água, tais como shoppings, órgãos públicos, condomínios residenciais, entre outros, para receberem o sistema de telemetria com IoT.

Para o superintendente de gestão operacional, Luiz Itonaga, a expectativa é que a telemetria do consumo de água melhore ainda mais a percepção sobre a importância do uso consciente da água. “Além disso, é uma tecnologia que permite reduzir as perdas nas redes de distribuição e o compartilhamento da infraestrutura de comunicação para outros serviços em benefício da população, utilizando o conceito de Cidades Inteligentes”, complementa o superintendente.
 

Hidrômetros e telemetria no Lago Norte
Testes em laboratório - hidrômetros do Lago Norte
Crédito das fotos: Caesb/Divulgação  


 

 

Pagina 7 de 54