29/07/19 - Caesb inicia obras de setorização de rede de água em Taguatinga



Melhorias reduzirão perdas da Companhia e trarão benefícios para 160 mil pessoas

A Caesb investe de forma permanente em diversas estratégias para reduzir perdas de água tratada. Uma das iniciativas é a setorização de redes de distribuição de água, que proporcionará a separação de uma rede maior em redes menores, criando os Distritos de Medição e Controle (DMC). Dessa forma, pode-se fazer o monitoramento e controle individual de cada parte da rede.

As primeiras etapas da setorização das redes de água vão acontecer em Taguatinga, São Sebastião e Ceilândia. As três regiões foram selecionadas em função dos índices de perdas e dos volumes de água perdidos ao longo dos últimos anos, gerados por expansões urbanas aceleradas e pelas ocupações irregulares.

Em Taguatinga, as obras já começaram. O sistema será implantado em parte da cidade, beneficiando 160 mil pessoas. O investimento será de R$ 16.606.220,64, com recursos provenientes do BID, e a previsão de conclusão das obras é no primeiro semestre de 2020.

O projeto de setorização prevê a instalação de trechos de rede de água, macromedidores e válvulas redutoras de pressão. Esses equipamentos permitirão o controle à distância da operação do sistema, adequando a pressão na rede e identificando online possíveis vazamentos. Essa operação automatizada permitirá a minimização de perdas na rede de água.

Outro componente da obra é o trabalho de substituição de rede que abastece diretamente as residências. Essa rede está localizada na área frontal das casas, na calçada ou rua, onde se conectam os ramais que abastecem cada casa.

A substituição de rede envolverá 8.635 casas das áreas que representam maior incidência de vazamento, envolvendo as quadras QNH, QI, QNF, QNG 34-46, QND, QNE e QNG 1-33. Nessas áreas, as obras terão uma maior interface com os moradores.

A obra contempla 12 setores de medição e controle, além da construção de 19,3km de redes de distribuição de água para setorização, variando entre os diâmetros de 60mm e 500mm. Também prevê a substituição de 78,4km de rede.

Etapas

Durante a etapa de substituição de redes, equipes de mobilização realizarão encontros com a comunidade para apresentar as condições de execução e de orientação nos casos de substituição de ramais ou interdição de circulação em calçadas, por exemplo. Também será disponibilizado um site na internet para acompanhamento das obras, sugestões ou reclamações da população. O contato com os moradores ocorrerá da seguinte forma:

1 - Uma equipe da Caesb uniformizada e identificada irá visitar cada residência para coletar informações sobre o hidrômetro atual.

2 – Na sequência será construída uma rede de distribuição para os ramais de ligação predial (tubulação que sairá da rede de distribuição e se conectará ao hidrômetro do cliente), através de escavações (vala a céu aberto), com impacto à população. Poderá ser necessária a interrupção momentânea de água às residências.

3 – No dia posterior, será realizada a conexão da rede nova ao ponto de fornecimento de cada casa (entrada do cavalete). Poderá ocorrer a interrupção momentânea de água às residências.

Em caso de dúvidas, o morador pode entrar em contato pelo telefone 115, da Central de Atendimento da Caesb.

Sobre as perdas

No início do mês de junho, o Instituto Trata Brasil divulgou pesquisa que apontou um índice de aproximadamente 34% de perdas na água tratada e distribuída no Distrito Federal. Isso significa que, de cada 100 litros de água captada nos rios e córregos, cerca de 34 litros são perdidos ou não são medidos pela Caesb, seja por furtos nas redes de água, ligações clandestinas, erros na medição do cliente (submedição dos hidrômetros) e vazamentos na rede de distribuição e em reservatórios.

As perdas são classificadas em dois tipos – reais e aparentes –, sendo a primeira também chamada de perdas físicas (vazamentos) e as aparentes são as perdas comerciais ou de faturamento, em que a água foi consumida pela população, mas a empresa de saneamento não faturou por esta água.

Sobre a setorização

O modelo de setorização a ser implantado pela Caesb também prevê a redução da pressão em suas redes, impactando fortemente na redução de arrebentamentos e na intensidade de vazamentos.

Esse modelo foi escolhido por possibilitar o monitoramento sistemático dos novos setores (volume distribuído e pressões na rede), agilizando as intervenções e deixando-as mais eficazes, proporcionando a redução das perdas reais (perda física de água). Haverá ainda em algumas áreas da cidade a substituição de redes, reduzindo não só as perdas d’água, mas proporcionando uma melhoria na qualidade da água entregue, pois, no lugar de tubulações antigas, há a ocorrência de tons de ferrugem na água.

Anexo:

Crédito da foto: Marco Peixoto